| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Unorp Notícias
Desde: 23/10/2001      Publicadas: 35      Atualização: 15/11/2001

Capa |  Cidades  |  Cultura  |  Economia  |  Esporte  |  Informática  |  Internacional


 Informática

  06/11/2001
  0 comentário(s)


Internet, um novo mundo !

Hoje a internet nos envolve, mostrando um mundo que antes desconhecíamos, é como se tirássemos os pés do chão e saíssemos voando sem destino e limitações, num mundo à parte.

Internet, um novo mundo !Este texto foi baseado nos estudos e citações do grande historiador Alberto Manguel.

Hoje a internet nos envolve, mostrando um mundo que antes desconhecíamos, é como se tirássemos os pés do chão e saíssemos voando sem destino e limitações, num mundo à parte.

Mais ainda é algo muito atual, ela define-se como um espaço que pertence a todos, excluindo qualquer senso de passado. Um mundo onde não há nacionalidade (apesar do inglês prevalecer), não há censura (exceto, pelo fato de governos estarem achando modos de banir o acesso a certos sites, numa censura por omissão). Para o usuário da web, o passado (a tradição temporal que conduz a nosso presente eletrônico) não é habitado por ninguém. O espaço eletrônico é (aparentemente) sem fronteiras.

É um meio quase instantâneo, não ocupa tempo, exceto o pesadelo de um presente, sem nenhum passado, aspira ser o lar de cada usuário, em que a comunicação com outro usuário é possível à velocidade do pensamento. Assim sua principal característica é a velocidade que desperta o interesse dessa humanidade ansiosa e prepotente.

Mas a internet também é um meio perecível, do momento, útil sobretudo para se comunicar neste exato instante e captar informações atualizadas no mesmo segundo em que as buscamos.

Com suas funções de áudio e de escrita, o texto eletrônico tem um pé na tradição oral e outro na tradição do livro; espera-se que se liberte de ambas, criando seu próprio vocabulário.

Degradar o CD-ROM, tão cheio de possibilidades, à mera função de um velho códice, embora ilustrado e lido, em voz alta, é ignorar teimosamente sua riqueza, é ir de avião a jato ao supermercado.

Creio que isso mudará logo, que só vai durar até que os artistas tomem conta do novo meio e lhe dêem vocabulário próprio, como fizeram com as invenções da fotografia, do rádio, do cinema, do vídeo. Só então perceberemos que o CD-ROM não é um livro, como fotografia não é pintura. Até lá, sua função fica entre falar e folhear.

Mas ainda existe uma deficiência muito grande nesse meio: a internet não é universal. Somente as sociedades mais ricas a têm. Para milhões de seres humanos deste planeta, a web é inacessível como a mais distante lua do universo. Mas nós, que a temos, achamos que abrange tudo e falamos dela como a pique de substituir todas as tecnologias, inclusive a de livros.

Os editores americanos de hoje avaliam que pelo menos 30% da edição de um livro, no futuro, será eletrônica.

Nossa futura sociedade sem papel, aliás definida por Bill Gates em um livro, como uma sociedade sem história, de vez que tudo na internet é instantâneo e que, graças aos processadores de texto, não há mais arquivo de nossas notas, erros, avanços e rascunhos.

A tecnologia digital está criando uma nova forma de comunicação. Baseada nas imagens em movimento, nos sons e em outros recursos de multimídia, essa nova forma de comunicação não compete com a leitura nem a complementa. São meios totalmente diferentes.

Mas não é o caso de culpar a internet por nossa falta de interesse em explorar o passado, nem pela preocupação superficial com o mundo em que vivemos. Sua virtude realmente está na rapidez e na quantidade de informação; não pode dar concentração e profundidade.

O meio eletrônico pode nos ajudar (de fato, ajuda) em inúmeras questões práticas, mas não em todas, e não se deve responsabilizar pelo que não se propõe a fazer.

Mesmo assim, com tanta evolução, com um novo meio tão completo, porém complexo a leitura continua e sobreviverá, desde que persistamos em aplicar palavras ao mundo que nos cerca. Tanta coisa recebeu nome, tanta coisa continuará a receber que, com toda nossa insensatez, não desistiremos desse pequeno milagre que nos permite um vago entendimento mútuo.

E compreenderemos assim que a internet é algo mais que a tecnologia felizmente teve o poder de nos presentear. Nada mais que isso, porque nada muda, apenas se transforma.

  Autor: Karen Marchesini


  Mais notícias da seção Geral no caderno Informática
25/10/2001 - Geral - Diários na rede são a nova mania dos internautas
Quer saber o que as mulheres conversam no banheiro? E o que os homens pensam sobre o amor e a solidão? Então, ‘blogue-se’. O neologismo vem de ‘blog’ -corruptela de weblog (‘diário on-line’). São páginas que podem ser criadas na internet sem nenhum conhecimento técnico e atualizadas rapidamente....
25/10/2001 - Geral - Especialistas temem novo tipo de ataque: o ciberterrorismo
Os especialistas temem que um próximo atentado contra os Estados Unidos seja mais insidioso: o ciberterrorismo, que poderia causar danos consideráveis ao paralisar redes vitais, principalmente se for combinado com um ataque físico, gerando mais tensão e terror. ...



Capa |  Cidades  |  Cultura  |  Economia  |  Esporte  |  Informática  |  Internacional
Busca em

  
35 Notícias